Sistema Tributário Brasileiro: Por que o ERP será seu maior aliado?

Sistema Tributário Brasileiro: Por que o ERP será seu maior aliado?

Brasil é um dos países com maior complexidade fiscal

Em um mundo cada vez mais competitivo, estar atento as mudanças é fundamental. Regulações, desregulamentações, portarias, ajustes, decretos, leis, leis e mais leis. Qual gerente, diretor, analista ou profissional da área de varejo, indústria ou serviços não ficou abismado com tamanha complexidade e até mesmo controle de tantas informações? O sistema tributário brasileiro é, além de complexo, de difícil gestão, isto é, está cada vez mais complexo gerir uma empresa, seja de qual porte for utilizando-se de planilhas ou sistemas não integrados, gerando retrabalhado, aumento de despesas, que leva consequentemente a um lucro ou faturamento menor e daí é ladeira abaixo, pois, diversos problemas acabam potencializados e a empresa perde o controle. Por exemplo, perde-se a previsibilidade das vendas, as comissões de seus vendedores acabam por estar dispersas em diversos setores, muita informação em papel de forma desordenada e desorganizada, são tantos problemas que manter o core-business e preocupar-se em contatar pessoal qualificado, planejar a estratégia e até mesmo competir com sua concorrência torna-se inviável.

Uma das maiores preocupações de uma empresa é também a de atender ao governo, um dos maiores sócios, independente do produto ou serviço comercializado, o gestor deve estar atento não só as mudanças de legislação como também aos prazos. É fundamental estar atento para evitar multas desnecessárias. Nenhum regime tributário está a salvo, desde empresas do Simples Nacional até empresas do Lucro Real ou Presumido. Um exemplo recente, que prova a mudança cíclica e recorrente dos processos fiscais é a implementação do eSocial, conhecido como SPED da folha de pagamento, não ficando atrás do mais recente layout da nota fiscal eletrônica 4.0 (NFe 4.0) que introduziu novas regras para as empresas como o cálculo em campos separados do FCP (Fundo de Combate à Pobreza), por exemplo.

+ de 90 tributos cobrados

Atualmente no Brasil, existem mais de 90 tipos de tributos, desde os tributos que incidem sobre o consumo, renda e patrimônio. Entre eles estão: ICMS, ISS, IPI, PIS, COFINS, IPVA, IPTU, IRPF, CIDE, IOF, FCP, entre outros. Há que se destacar que os tributos, impostos e taxas são de competência municipal, (ISS, por exemplo), Estadual (ICMS, por exemplo) e Federal (IPI, por exemplo). Embora o cenário seja um pouco caótico do ponto de vista em relação ao número de obrigações, a maioria delas já é digital e consegue se adequar perfeitamente ao processo sistêmico de um ERP.

A complexidade do e-social

Segundo o Índice de Complexidade Financeira de 2018, estudo realizado pela TMF Group, o Brasil está na 2ª posição do ranking mundial de 94 países analisados, como um dos mais complexos do mundo. O estudo analisa o que uma empresa precisa para estar em dia com suas obrigações fiscais, legais e contábeis. Em 2017, no mesmo estudo, o Brasil também estava na segunda posição, isto é, manteve sua posição como vice-campeã de mais complexa no mundo. Para o TMF Group, autora do estudo, o governo brasileiro ao digitalizar seus processos está causando dores de cabeça para as empresas porque o eSocial e o REINF (complemento para eSocial) requerem um aumento tanto na qualidade quanto na quantidade dos dados compartilhados com o governo.

As novidades relativas desses requisitos adicionam complexidade; relatórios devem ser arquivados mensalmente e anualmente, mas certos requisitos incluindo modelos precisam ser definidos. Ainda segundo o estudo, o próprio eSocial tem sido uma fonte de complexidade para empresas no Brasil. Após uma extensão ao cronograma de implementação original, o eSocial, já está em sua segunda fase abrangendo entidades empresariais com faturamento de até R$ 78 milhões no ano de 2016 e que não sejam optantes pelo Simples Nacional.

Essa etapa envolve o envio de dados dos trabalhadores e seus vínculos empregatícios até 9 de janeiro de 2019. Em teoria o eSocial não coloca obrigações adicionais sobre empresas – é apenas uma mudança em como os dados serão entregues – na prática se provou difícil para algumas empresas. Com um sistema tributário tão complexo, os dados não somente para a gerência da empresa como também para sua adequação fiscal passam por um ou vários sistemas, o melhor aliado para vencer esta batalha é sim, o software ERP.

Como o ERP pode ajudar nesse quesito?

Não podemos confundir ERP com sistema modular. ERP é orientado a processos e totalmente integrado, onde por exemplo, ao realizar uma cotação o sistema sugere o melhor preço e o melhor fornecedor, tendo a compra sido efetuada ao cadastrar ou ao importar a nota fiscal, os dados para pagamento aos fornecedores são direcionados ao financeiro. Com os pagamentos já agendados seja por transferência bancária ou boleto, a conciliação bancária será realizada e o fluxo de caixa alimentado. Parte-se para a contabilização e a mercadoria entregue pronta para ser comercializada com o estoque controlado. Já na parte de departamento pessoal vinculada o financeiro o vendedor tem sua comissão calculada e a folha de pagamento já devidamente pronta para o pagamento desta comissão e o financeiro preparado para o pagamento dos funcionários. Por fim, os arquivos digitais das notas fiscais salvaguardados pelo prazo decadencial, de preferência, em nuvem, os arquivos digitais de obrigações como SPEDs gerados e entregues e as guias de impostos devidamente emitidas.

Os benefícios são incalculáveis! Mesmo que a sua empresa tenha particularidades ou seus processos tenham requisitos mais específicos, utilizando um bom sistema ERP é possível contratar personalizações para melhorar ainda mais a produtividade e deixar a empresa e seus gestores com mais tempo de focar no principal, que é alavancar o negócio. Embora muitas empresas que também utilizam sistemas ERP ou não ERPs, porém modularizados, ainda insistam em trabalhar com planilhas, achando que assim estão com os dados mais confiáveis e as informações mais à mão, acabam por cometer um pequeno equívoco, pois trata-se de um vício dos usuários de sistemas ou soluções anteriores, pois, há de se chegar uma hora em que nem mesmo as planilhas darão conta.

Pensando nisso, uma empresa que adota um sistema ERP, está se posicionando perante ao mercado, aos concorrentes, fornecedores e, inclusive a seus consumidores. Com um sistema integrado, processos automatizados, em dia com a legislação e intuitivo e sensível o suficiente afim de evitar falhas humanas, o ERP torna-se não só o maior aliado como requisito mínimo para empresas que necessitam de organização e crescimento sustentável. A NW SOFTWARE, detém uma suíte completa de soluções financeiras e administrativas adequadas para todos os tamanhos de empresa, que cresce junto com seu cliente. A NW Software está preparada a fornecer a melhor solução para sua empresa!